“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Acróstico sobre o poeta

 foto Mariah



Nada escapa aos olhos do poeta:
Ondas, conchas, areia branca, crianças,
Viajantes nuvens, pássaros cruzando o céu,
As montanhas espalhadas, no horizonte,
Misturam verde e o vermelho do sol.
Espátulas brigam no ar, fazendo castelos
Na areia que, aos poucos, bebe suas escadas.
Tatuagens coloridas desfilam em passarelas,
Enquanto cabelos presos exibem fivelas.

Ao longe, pessoas correndo, outras deitadas,
Recebendo na pele o sol que as escurece.
Tudo, tudo parece uma aquarela nas mãos do poeta:
Invisíveis pincéis contornam cada coisa com versos...
Suspiros... Inspiração levam o artista ao delírio,
Tamanha a sua viagem na pintura feita,
Aonde vai o poeta, vai o artista, inseparáveis.

Chris Amag
16/03/09

Um comentário:

Francisco Libânio disse...

Acrósticos, a forma mais gostosa e mais sublima pra se homenagear algo ou alguém. Eu tenho uma série deles escrita há alguns anos, mas hesito em colocá-los no blogue.

Obrigado pela presença sempre delicada e cativante em meu humilde espacinho. Receber votos de uma poeta é estimulante.

Grande beijo

Francisco Libânio