“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Não acorde o poeta!

http://minhasmares.com.br/
O poeta pode ficar horas olhando a chuva que cai
Para depois admirar as gotas que ficam nas flores...
Pode não perceber que o sinal já está verde,
Pois se esquece do tempo, observando o movimento.

Ah... O poeta... Fica pensando no nada, mas em tudo,
Enquanto os versos fervilham na sua cabeça, fica mudo...
Quem vê esse processo de sono profundo, não entende
Que ali dentro dele, mora tanta coisa, até o mundo.

E dizem: “acorda!”, “por onde andam os seus pensamentos?”
...Se soubessem por onde andam, ficariam cansados,
Nunca mais reclamariam do marasmo, da lentidão,
Pois, não conseguiriam acompanhar os seus passos.

Os seus versos percorrem os caminhos áridos,
As pessoas que cruzam as ruas movimentadas,
O céu, as estrelas, a casa abandonada e a vida...
Seus poemas atravessam o tempo e o espaço.

Ah... O poeta... Ele vê os olhos brilhantes dos enamorados,
Vê o sorriso triste do palhaço, que se esconde no vermelho,
Vê a planta que brota, o pássaro que se exibe no céu
E as injustiças do mundo, até as que ninguém vê.

Então, “por favor”, não critique o poeta, não o acorde,
Ele não pode olhar a vida sem senti-la, ele respira isso,
Não o chame de lento, de desatento, de desligado...
Ele nunca desliga, está sempre ligado nos seus versos!


Chris Amag
23-10-09
20h55min

3 comentários:

José disse...

Olá Chris,
Este poema, é uma homenagem a todos os poetas.
Eu revejo-me em cada palavra que aqui está escrita, tenho lido milhares de poemas, ao longo da minha vida, mas nenhum me tucou tão prefundamento, como esto.
parabéns,
uma boa noite

um beijinho, josé

Chris Amag disse...

Ah, José...

Assim me deixa envaidecida...

Obrigada pelo carinho. Agora, toda vez que reler esse poema, pensarei em você...

Abraços!

Francisca F. França disse...

Oi Cris parabéns, amei este poema que fala sobre o poeta, verdadeiramente os poetas são assim sempre absortos em seus pensamentos formando palavras para transformá-las em versos.
Beijos, França.

14 de julho de 2011