“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



domingo, 7 de novembro de 2010

Quem sou eu?

Imagem tirada do blog:http://bailarinadecorpoealma.blogspot.com/

Queridos amigos, postei há algum tempo este poema, mas o blog  ainda estava nascendo... Acredito que muitos não leram...

Já parou para pensar que, "às vezes", passamos uma imagem para as pessoas que não condiz com o que realmente somos?

Bom, eu vivo ainda esse conflito, mas quem sabe eu aprenda com as minhas primaveras a diversificar as flores e atrair borboletas e pássaros raros...

Quer comentar ou me dar um conselho?



PALCO

Não sei quem realmente eu sou,
Por trás de meu sorriso discreto
Esconde-se uma gargalhada
Que chamaria a atenção
De toda a vizinhança...

Não sei quem realmente eu sou,
Quando concordo, na verdade,
Gostaria de gritar um “não” estrondoso,
Que surpreenderia a todos
Que me tomam como tímida...

Não sei quem realmente eu sou,
Digo que sinto falta, quando na verdade,
Gostaria de dizer que “morro de saudade”,
Mas coragem para isso me falta...

Não sei quem realmente eu sou...
Produto da sociedade,
Da família que me criou?
Tenho medo de me descobrir...

Às vezes, me vejo mais solta, mais louca,
Mas me envergonho da imagem que faço.
Às vezes, sinto orgulho do que eu poderia ser,
Mas desse pensamento logo me desfaço...

Acho que todo mundo um dia se sente assim,
Quer um momento sem interpretar papel algum,
Sem maquiagem, sem holofotes e sem espelhos,
Com a cara lavada e a alma limpa!

Chris Amag

7 comentários:

Vivendo pela Palavra de Deus!!! disse...

Boa tarde Chris, muito obrigada por sua visita e pelo seu belo comentário. te desejo uma abençoada semana. Deixo para sua meditação. 2 Ts 2:17 e 3:5

Os Tesouros da Religião.blogpost.com se encontram muitos segredos disse...

Ok amiga eu sou do blogg ganancia orgulho e maldizer e seu blogg me imspira nos meus textos pois sua escrita e magica e motivadora tabem para meu outro blogg ostesourosdareligao ligado a varias religioes e temas felicidades para seu blogg e força pois tem um salvador para te ajudar bem hajas na tua escrita .
Um Abração Fraterno

Cida Kuntze disse...

Querida Chris, que belo poema reflexivo.
Acho que esse poema se encaixa com todos nós, por isso não tenho um "conselho" para lhe dar amiga. Gostei de todo ele, mas o final foi belíssimo.
Que bom que repostasses ele, pois eu não tinha lido ele ainda.
Um grande beijo, que o Senhor continue te abençoando e que possas estar nos brindando cada vez mais com essas preciosidades que escreves.

Rosiane disse...

Oi Chris...
Com certeza, eu me encontro nessa dúvida cruel...me mascaro pra muitas coisas...
Com o tempo a gente passa a se perguntar... sou eu, ou sou o que querem que eu seja?

Abraço amiga...
Ro

José disse...

Boa Tarde Chris!
Quando a gente escreve, quer a gente queira ou não, acabamos sempre por mostrar um bocadinho de nós mesmos.
E não adianta estar-mos a querer agradar a todo o mundo, porque nunca iremos conseguir.
Eu pela parte que me toca, tento ser igual a mim mesmo, quem gosta gosta, e quem não gosta, nada posso fazer.
Este seu ultimo verso diz muito daquilo que eu penso


"Acho que todo mundo um dia se sente assim,
Quer um momento sem interpretar papel algum,
Sem maquiagem, sem holofotes e sem espelhos,
Com a cara lavada e a alma limpa!"

Uma boa semana,
beijinho,
José.

Machado de Carlos disse...

Eu também tenho o meu La tímido. Quase sempre não sei lhe explicar quem sou e o que faço.
De repente alguma coisa passa pela minha cabeça dizendo que a vida é inexistente, e que tudo o que vivemos é apenas um sonho. Uma passagem apenas. Entretanto, enfrenta o que chamam de realidade; escrevo, crio minhas artes... Tento fugir da rotina; passar por lugares diferentes, ir a locais diferentes e ver gente diferente. Acho que a passagem é marcada por esses acontecimentos.

Machado de Carlos disse...

Quem sou eu.

Ainda bem que você entendeu tudo o que lhe escrevi. Escrevi muito rápido esquecendo de corrigir os erros datilográficos. Mas acho que minhas palavras se fizeram valer pela idéia em si. Queira me desculpar.

A única coisa que posso lhe explicar a respeito dos sonetos é que através deles podemos desenvolver um ato em quatorze versos e fáceis de serem lidos e entendidos. Mas posso lhe afirmar, com certeza, escrevo com o coração, embora sejam fatos contados em formas sintetizadas.

Agradeço-lhe de coração, pelos belos comentários!...

Beijos!...