“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



terça-feira, 22 de novembro de 2011

Saudade do meu pai

http://www.ehow.com/info_8162095_activities-fatherdaughter-groups.html

Ainda posso sentir a sua forte presença
No amanhecer, quando os pássaros cantam...
Quando as folhas das árvores balançam
Ou as flores se abrem coloridas para a vida.

Ainda posso sentir a sua presença no vento
Que passa ligeiro e bagunça o meu cabelo,
Lembro-me das suas histórias, suas memórias
Que sempre pareciam não ter fim para mim...

Hoje faz dois meses que nos deixou, estava frio,
A madrugada congelava os meus pés e meu coração,
Não quis acreditar, você partiu sem me dizer “adeus’,
Mas eu me despedi, com pedido sincero de perdão...

É difícil olhar as imagens onde aparecemos juntos
E aceitar que você não vai voltar mais; parece mentira,
A impressão que tenho é que vai aparecer de repente,
Que vai contar suas histórias e sorrir como sempre
...

Sua filha Maria Cristina

Fonte da imagem:
http://apenas-o-tempo.blogspot.com/2011/06/saudade.html

POEMA FALADO

11 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Chris, belo texto de amor. Linda homenagem.
Um abração.

Tânia Gama disse...

Puro sentimento! Excelente encontro de palavras inspiradoras , só poderia emocionar!
Um beijo no teu coração, amada!

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Lindo demais esse poema Chris, uma bonita dedicatória a seu pai, muito emocionante!

Dou a vc um meu grande abraço de carinho para que faça das fraquezas as suas forças!

Bj

Rui

Arnoldo Pimentel disse...

Um poema muito lindo e emocionante, parabéns.Muito obrigado pelas palavras em meu blog, beijos.

José disse...

Amiga Chris!
Eu infelizmente também sei o que custa a gente perder alguém, que amamos muito, perdi o meu pai e a minha mãe no mesmo ano, o tempo tem ido ajudando atenuar a dor, mas nunca vamos esquecer completamente, mas vida é mesmo assim, e não há outro remédio senão nos conformarmos.
Poema profundo, e palavras sentidas, bonito com tristeza à mistura.

Beijinho Grande,
José.

Maria disse...

Querida e doce amiga, que as boas recordações do seu paizinho a ajudem a aliviar um pouco toda a sua dor e saudade.
Tenha um domingo de paz e harmonia.
Beijinhos
Maria

Cida Kuntze disse...

Olá Chris!

Eu estava desde que vc postou esse poema ensaiando pra vir aqui ler, mas não conseguia, pois sabia que mexeria muito comigo.
Que eu me emocionaria com as tuas palavras.

Sabe amiga, assim como você sinto muitas saudades do meu doce e amoroso pai.
O meu já dormiu no Senhor vai fazer 4 anos agora dia 22/12, mas te digo que o tempo não ameniza a saudade que sentimos deles.
A gente aprende a conviver sem a pessoa, pois é a vida, precisamos continuar fazendo nossas coisas, mas as lembranças permanecem muito vivas.

Que você possa a cada dia ser confortada pelo Espírito Santo, pois ele nos consola quando achamos que a dor está muito grande. Ele faz com quem consigamos suportar e assim as lembranças ficam doces, mas sem o desespero da perda.

Um beijo e fica na paz do Senhor.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Estes dias de agosto
postei sobre
a partida de meu pai...

Dor intensa,
que não deixa
de doer nunca...

Melhor que seja assim.
Sinal que a vida
ao seu lado valeu a pena...

Saudades...

Muitas saudades...

Entendo cada frase tua...

Que a luz da vida
esteja sempre em teu olhar.

Maria disse...

Querida amiga hoje vim especialmente também para agradecer o seu carinho por ter comemorado comigo o aniversário do meu marido, deixando a sua preciosa mensagem.
“Se planta uma semente de amizade, recolherá um ramo de felicidade (Lois L. Kaufman)”
Bom fim de semana.
Beijinhos
Maria

Francisca F. França disse...

Poesia bonita e triste Chris, que transmite o que vai na sua alma.Sinto muito pela perda do seu pai, eu também não tenho mais o meu. É a lei da vida amiga, infelizmente temos que passar pelas perdas. Mas o Senhor é quem nos consola. Mui obrigada pela sua visita no meu blog.Volte sempre. beijos França.

Consultora em Educação disse...

Sou mulher

Ivone Boechat (autora)

Sou mulher,
com as aflições e a inspiração do poeta,
o esplendor e a serenidade das mães!

Sou uma canção de ninar,
experimentadora dos sabores do tempo,
estrela da constelação familiar!

Sou letra e música da canção
do mais puro sentimento
que a mulher é capaz de cultivar!

Sou feita síntese do segredo de amar,
tenho fases minguante e cheia,
assim como o luar!
Publicado no meu livro AMANHECER 3ª.Ed RJ 2004