“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



quinta-feira, 3 de maio de 2012

Céu sem estrelas


imagem tirada do blogue: edupoisl.blogspot.com

A poesia nos desnuda
Torna a pessoa muda,
Queremos nos esconder
Em qualquer vírgula
Que o poema possa ter.

Nos escondemos então
Nas falsas metáforas,
Antíteses disfarçadas
Que fazem da escuridão
Céu cheio de estrelas.

Mas não há como fugir,
Os versos nos entregam,
Nas figuras vemos surgir
Lágrimas que revelam,
Que deixam a tristeza sair.

Então, as rimas choram
Entre versos sorridentes...
Que tentam e até imploram,
Mas enganam pouca gente,
Pois nada dura para sempre.

Hoje é assim que eu me sinto,
Não vou tentar me esconder,
Meu céu hoje não tem estrelas,
Apenas o solitário anoitecer,
Que chora de saudade de você.

Chris Amag


Queridos amigos

Depois de ler alguns comentários, principalmente o da minha querida Maria, resolvi falar sobre o que me motivou a escrever esse poema...

Sabe quando bate aquela saudade de alguém que se foi e que não há maneira de trazer de volta?

A dor é muita e por mais que as nossas poesias falem sobre pássaros, céu, natureza e tudo que é belo, nas entrelinhas deixamos escapar que o nosso coração chora...

Meu pai partiu em setembro do ano passado, e é difícil aceitar que ele não vai mais me dar conselhos e palavras animadoras como sempre fez... 

Mas esse poema também pode nos remeter a qualquer saudade: de um amigo, de um amor que perdemos, a uma separação que pode ser em vida ou em morte...

Beijos amigos.
Cristina
Eu sou a segunda, bonitinha, né? (rs)

11 comentários:

Célia Gil, narciso silvestre disse...

Um desnudar lindíssimo! A poesia tem esse efeito! Bjs

Arnoldo Pimentel disse...

Esconderijo com frestas por onde entra o brilho das estrelas.Lindo seu poema, beijos.

SOL da Esteva disse...

Ficar sem palavras em momentos de solidão, dói! A Poesia tem o privilégio de amenizar (em metáforas adocicadas) as mágoas que nos invadem.
Apenas o Poeta sofre e inventa remédios para a dor.
Belo.

Beijos

SOL
http://acordarsonhando.blogspot.pt/

Giancarlo disse...

Molto bella questa poesia!felice serata a Te...ciao

Luciano Braz disse...

O delicioso da poesia, é que ela sempre nos mostra as belezas da alma escritora. "Nada dura para sempre". Abraços ...linda postagem.

Maria disse...

Minha amiga quanta tristeza nestes seus lindos versos, espero que esteja tudo bem consigo e com a sua familia.
Tenha um maravilhoso fim de semana
Beijinhos
Maria

mfc disse...

Também há beleza naquela saudade que sabemos irreversível!!
E que forma bonita arranjaste para o dizer tão bem!
Beijos,

Lúcia Soares disse...

Chris paz
versos com saudades bonito.
gostei da foto vc esta linda.
bjs

Cida Kuntze disse...

Oi Chris!
Que poema lindo amiga.
Sinto também saudades imensas dos meus pais e avó materna.
Achei linda a foto e vc era muito foooofaaaa.
Beijinhos e uma semana de paz!

José disse...

Olá Chris!
Boa noite, está tudo explicado, e bem explicado, eu falo no meu caso, parece quanto mais triste estou, mais inspiração tenho para escrever, e se calhar consigo disfarçar o que me vai na alma.

Eu já ouvi isto em qualquer lado.

"O poeta é um fingidor
finge tão completamente
chega a fingir que não é dor
a dor que deveras sente"

Beijinho,
José.

Ygo Maia - Mergulhando Na Leitura disse...

Encontrei o seu blog como recomendação no blog da Anhy Menires e desde já, gostei bastante. Esse poema é muito intenso, concordo plenamente com o que você disse. O poeta sofre entre os versos que escreve. Parabéns!!
Continue...