“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



domingo, 27 de janeiro de 2013

Brisa

Imagem da internet

Quis ser a brisa para você,
Mas você enxergou a tempestade
Quando o tempo não tinha nuvens...

Conseguiu me perder por medo
De me ter
De se prender
De me perder...

E eu aqui apenas esperando
Um sorriso,
Um olhar,
Um olá...

A brisa passa e deixa a suavidade,
Mas a tempestade leva tudo...

Não sou vento forte,
Sou alguém que quer amar,
Amar de todo coração,
De todo o meu ser,

Quem não se esconde nas palavras...

Sou verbo declarado,
Coração acelerado,
Pura poesia...

Se não sentiu a brisa no rosto,
Não me merece ter no corpo
E nem no coração...

Chris Amag

2 comentários:

Maria Rodrigues disse...

Uma brisa de poesia que encantou a minha tarde, obrigado.
Beijinhos
Maria

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Quem não
sabe ler
a nossa suavidade,
jamais será
capaz de ler,
os poemas escritos
em nosso coração...

Que todos os dias
os sonhos nasçam em ti,
como nasce o sol pela manhã...