“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



sábado, 2 de fevereiro de 2013

I miss you



Poema feito em 1999, durante a aula de Literatura Inglesa

I MISS YOU 
 
When I am alone       
I miss you,       
You left a long time ago,       
And I didn't still forget you.       
When I hear our music       
I remember your perfume,       
Your voice, our encounters...       
You left a long time ago,       
But you are still alive in my memory.       
Now your image don't have form,       
You were a young handsome man, I know,       
High and thin, but the one that I can say now     
It's only the Feeling stayed ... He is single,     
Because He is stronger than everything,     
He has a defined form,      
As a scar in my heart,        
... and this music, your kisses, they open the wound...       
And it seems that everything has just happened,     
You left a long time ago,      
But you didn't tell me good-bye,       
Then I could not forget you.

                               MARIA CRISTINA GAMA



SAUDADES

Quando eu estou só
Eu sinto falta de você,
Você partiu há muito tempo atrás,
Mas eu ainda não esqueci você.       
Quando ouço a nossa música,
Lembro do seu perfume,
Da sua voz, dos nossos encontros...       
Você partiu há muito tempo atrás,
Mas você ainda está vivo em minha memória.       
Hoje a sua imagem não tem forma,
Você era bonito, jovem, eu sei,
Alto e magro, mas agora eu só posso falar
Do sentimento que ficou... Ele é único,
Porque Ele é mais forte que tudo,
Ele tem uma forma definida,
Como uma cicatriz em meu coração,
... e esta música... Seus beijos... Eles abrem a ferida...       
Parece que tudo há pouco aconteceu...
Você partiu há muito tempo atrás,
Mas você não me disse adeus,
Então eu não pude esquecer você.

Chris Amag

Poema de Minha autoria

Um comentário:

Arnoldo Pimentel disse...

A saudade que está sempre presente, tão presente em seus belos versos.Sobre sua pergunta em meu poema, falo de filhos interrompidos durante a ditaduras que existem em muitos lugares e as mães sempre olham pela janela, esperando ver no fundo a imagem dos filhos voltando.Beijos.