“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



domingo, 10 de março de 2013

NAS ALTURAS



Cada degrau, em caminho estreito,
Lapida, aos poucos, nosso jeito de ser,
Mesmo que nos falte ar no peito,
Mesmo sentindo o corpo enfraquecer...

Lá em cima, veremos tudo do alto,
Tudo bem pequeno, nada mais assusta,
Nos sentimos fortes, temos um norte,
Deixamos no vento nossos pensamentos.

E se nesse subir, encontrar uma mão amiga
Para me ajudar em cada passo em falso...
É tudo que mais sonhei para a minha vida.

Então, conheci você, que me levou ao alto,
Me puxou nos braços, segurou-me forte,
E descansou em meus braços... Senti paz...

Maria Cristina Gama
09-03-2013

2 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Todos precisamos de refúgio.Parabéns pelo belo poema.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Há nas palavras
que nos fazem sentir
o perfume da vida,
o milagre da eternidade.

Que os sonhos
encham de luzes
os teus caminhos.