“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



domingo, 14 de abril de 2013

Além dos muros do castelo



Agora o meu momento é outro,
Já não sonho com príncipes
E castelos cobertos de ouro,
Isso foi na minha adolescência
Quando tudo era pura inocência.

Agora sonho com o que há lá fora
Do outro lado dos muros do castelo,
Com uma vida simples, sem requinte,
Onde tudo é real e sem mistério,
Quando poderei ser eu mesma.

Por isso, digo adeus aos meus sonhos,
Sonhos românticos de uma menina,
Que só existem nos livros de contos...
Castelos nos aprisionam nas esquinas...
E é o camponês nosso verdadeiro príncipe!

Maria Cristina Gama

3 comentários:

Mgtcs disse...

Belo e maduro poema, os sonhos permanecem mas a vida nos faz conhecer um padrão de realidade, não faz diferença se é um camponês ou um guerreiro, ou um vendedor, seja o que for é um PRÌNCIPE!

Parabéns!

Ygo Maia disse...

Que lindo poema, Chris.
Parabéns!!

http://ymaia.blogspot.com.br/

Ygo Maia disse...

Que lindo poema, Chris.
Parabéns!!

http://ymaia.blogspot.com.br/