“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



sexta-feira, 7 de junho de 2013

O silêncio das palavras

O meu amor é assim, exibido, colorido,
Faz pose sozinho e no meio de tanta gente...
Aparece de repente, com um largo sorriso,
Deixa o coração acelerado e o sangue quente.

O meu amor é assim, medroso, calado,
Some, de repente, sem deixar aviso,
Não sabe como é bom ser amado
E prefere ser chamado só de amigo.

Ah se soubesse que o diálogo é tudo,
Que não adianta nada ficar mudo,
O tempo passa, a oportunidade passa...

O meu amor é exibido, mas fica escondido,
Escondido nas palavras, na distância...
E ainda espera que o coração entenda tudo.


Maria Cristina Gama

Nenhum comentário: