“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



quinta-feira, 18 de julho de 2013

Quem sabe um dia...


Um dia, quem sabe tudo volte a ser como antes,
Quem sabe o tempo apague as palavras soltas,
Quem sabe seu coração sinta o que vai no meu
E perceba que o meu amor é puro e é seu.
Não viu o brilho dos meus olhos?
O meu coração disparado?
O sorriso bobo no meu rosto?
E o calor do meu abraço?
O que eu sinto não são simples palavras,
Nem tão pouco algo que se vai no vento,
Eu queria tanto que você soubesse
De tudo o que vai no meu pensamento...
Dizem que um novo amor nos ajuda
A esquecer um antigo amor,
Mas eu apenas gostaria do amor antigo,
Aqui, agora comigo... Não quero um novo amor.
Maria Cristina Gama
17-07-2013 - 23h56

Nenhum comentário: