“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



domingo, 17 de agosto de 2014

Preciso de um tempo



E esse tempo que não para, queria um pouco de tempo para mim, parar o relógio, parar a fome, a sede, a vontade de fazer tanta coisa ao mesmo tempo... Se eu dormir, passará ainda mais rápido e eu não verei nada, não aproveitarei nada, mas se eu não dormir, logo logo vai amanhecer e também já começará tudo de novo... Sabe o que eu queria? Escolher o melhor dia, aquele em que fui mais feliz e tudo deu certo, e parar o tempo, parar tudo... Falta muito para o natal?
..
..

2 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Parece que o tempo nos tomou todo o tempo do mundo.Parabéns pelo sábio poema.

Cida Kuntze disse...

Nao amiga, não falta muito para o natal...kkkk...
É verdade, o tempo VOA mesmo... nem bem começou o ano e já está no final novamente.
Que vivamos um dia de cada vez, buscando a Deus a cada início de manhã, para que o nosso dia seja produtivo na Sua presença.
Um beijo bem carinhoso.