“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Eternamente no meu coração


Nem sei o que dizer, pois o silêncio já diz tudo,
E o que nos afasta é a incerteza do amanhã,
A vida é frágil, não temos o poder da eternidade,
Você pode partir agora e eu não posso impedir.

É apenas um corpo, mas o que vejo é muito mais.
É alguém que amo, amo o que vai dentro, amo a alma,
Olho dentro dos olhos e caio lá dentro de você,
Você é pura essência, já vive aqui dentro de mim.

Ah... Como é difícil segurar essa lágrima sentida,
Como é difícil conviver com a ausência antes da hora,
Por quê? Não entendo por que tem de ser assim...

O fôlego que acaba,
Os olhos que se fecham,
O coração que para...

Meus Deus, não estou preparada para isso...
Por que quando chego perto da felicidade
O destino me mostra que ainda não é a hora?

E agora?

Também vou morrendo aos poucos...
O único problema é que continuo viva
E o sofrimento é bem maior para quem fica.


Maria Cristina Gama

Nenhum comentário: