“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



terça-feira, 20 de janeiro de 2015

A palavra diz uma coisa, o coração diz outra...


Algumas palavras que nos escapam não são aquelas que estão no nosso coração, são palavras que nos protegem da felicidade, que colocam um muro entre o desejo e o medo. Melhor seria o silêncio que as palavras, mas aquele silêncio gostoso quando é possível ouvir o som do coração... Para isso é preciso do calor de um abraço, para isso é preciso da presença, do cheiro, do calor, das mãos dadas... Para que servem as palavras se todo o resto é desejo?
Maria Cristina Gama

Nenhum comentário: