“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



quinta-feira, 8 de outubro de 2015

O calor dos gestos


É possível saber sobre alguém observando a roupa que veste... É possível saber sobre alguém sentindo o toque das suas mãos em um cumprimento, é possível ler nos olhos e no sorriso... Mas tudo isso somente na presença, sentindo o calor dos gestos, pois fotos congelam o que representamos e a voz se disfarça no tom que queremos dar a ela... Sendo assim, deixo aqui minhas palavras vestidas de sentimentos, quem puder pode despi-las, encontrará um coração que pulsa procurando verdades escondidas, um coração transparente que só pode ser tocado por quem sente a poesia que há dentro de mim... (Maria Cristina Gama)

2 comentários:

Cida Kuntze disse...

É verdade... nos gestos há calor.
Como sempre você escrevendo belos poemas.
Gosto demais!!!
Beijos.

Cida Kuntze disse...

Realmente, há calor nos gestos.
Como sempre, você escrevendo ótimos poemas.
Gosto demais!!!
Beijos.