“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



quarta-feira, 4 de novembro de 2015

A saudade que a chuva traz...









Ah, toda vez que chove, vem junto com a chuva muitas lembranças, dá saudade de tanta coisa, o coração fica apertado... Gosto de chuva, mas gosto mais de dormir com o barulho da chuva... Sinto falta do meu filho quando era pequeno, das minhas cachorrinhas, do meu pai que vinha me visitar e sempre trazia um “laka” branco, pois sabia que era o meu predileto... Sinto falta de ler história em quadrinhos, de fazer os meus desenhos (sim eu desenho), e de ficar com a minha família que era grande, gente tagarela e sorridente, a casa era barulhenta, vozes e música, churrasco e sobremesa... A chuva continua... e vem a lembrança da adolescência, quando não usávamos guarda-chuva e ficávamos “ensopados”, era pura felicidade... Agora, para não me afogar nas lembranças, prefiro assistir a um bom filme, no aconchego do meu lar e em boa companhia.

3 comentários:

Cida Kuntze disse...

Oi Chris!
Aqui chove sem parar... entrei no meu blog pra fazer uma postagem sobre a chuva e vejo que você traduziu bem o sentimento que temos quando isso acontece...saudade!!!
Saudades de muitas coisas mesmo.
Um beijo querida.

Maria Rodrigues disse...

Também para mim a chuva traz muitas lembranças.
Lindas palavras.
Beijinhos
MAria

William DiGois disse...

E há quem reclame da chuva!
Continue chuva, a inspirar essa Poeta!