“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Puro egoísmo!


Se a distância e o tempo já me incomodam,
Imagine a ausência da saudação, do bom dia...
A lua fica teimosa, resiste muito em ir embora,
E o sol se esconde entre a ruas escuras...

Aí todos dormem, o preguiçoso sol, a teimosa lua,
Os pássaros calados nas copas das árvores quietas,
As pedras, as calçadas, as janelas fechadas da rua,
Tudo está em silêncio, na espreita, na espera...

Mas quando as nuvens se dissipam e revelam
O sol redondo, dourado, majestoso...
Então, ele abre com delicadeza todas as janelas
E se despede da lua com seu ar bondoso.

O meu dia só começa com seu bom dia,
Não perca a hora de me despertar,
Mesmo que depois volte a descansar,
Eu sei, é egoísmo, mas sempre deixe um “Olá”.


Maria Cristina Gama
...

2 comentários:

Célia Gil, narciso silvestre disse...

Um bom dia do sol e da vida muito belo.

Maria Rodrigues disse...

Lindíssimo poema.
Beijinhos
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco