“Meus versos nascem como quem dá luz a um único filho, em gestações que podem durar uma vida ou segundos...” (Chris Amag)



sexta-feira, 19 de agosto de 2016

OS BONS VENTOS DE AGOSTO


 


E o tempo que eu perdi sem o seu violão,

Sem a canção doce que sai da sua boca?

E o tempo que desfez as linhas do meu rosto?

Minha silhueta ainda lhe fará gosto?



Ah... O vento do mês de agosto

Traz novamente o seu perfume,

Não quero que ele passe...

Quero que esse vento caia em mim.



Mesmo que ele me desalinhe,

Mesmo que a poeira me faça chorar,

Mesmo que eu perca a visão de repente,

Sei que quando abrir os olhos, você estará lá.



Você com esse seu sorriso tão menino,

Você com essa alegria de viver...

Mesmo que seja por um tempo pequenino

Quero ter o prazer de lhe conhecer.



Maria Cristina Gama
.
.
.

sábado, 13 de agosto de 2016


Perdi tempo demais esperando o tempo. Agora não tenho mais tempo. A vida me apressa, o coração me assalta e eu preciso atropelar as horas, chegar logo e ver o que me espera no fim do tempo. (Maria Cristina Gama)

sexta-feira, 29 de abril de 2016

A Pureza das Crianças




Obrigada, Senhor, por me permitir trabalhar com as crianças... A pureza delas me encanta, elas acreditam em nuvens que falam, inventam amigos imaginários e histórias onde tudo é possível. Elas não disfarçam o sorriso e a lágrima, a gargalhada e o silêncio misturado com espanto. Elas, quando gostam, beijam, abraçam! E essa troca de energia revigora, alimenta a minha alma e me enche de alegria. E hoje, eu cheguei assim, com a felicidade pintada em meu rosto, um sorriso desenhado com a magia dos Contos de Fadas, um sorriso verdadeiro, sem feitiços e encanto... Há muito tempo não me sentia assim... (Maria Cristina Gama)

sábado, 16 de abril de 2016

Crônica Reflexiva


Uma pequena crônica reflexiva...

REVIRAVOLTAS...

Se eu tivesse o poder de voltar o tempo, não teria tomado algumas decisões que não me acrescentaram nada... Então eu me pergunto: “Por que temos de passar por algumas coisas que não fazem sentido algum em nossas vidas?”

Mas quando eu me questiono, chego à conclusão que foi necessário, para me lapidar, para me tornar uma pessoa melhor, pois os obstáculos e a tristeza existem para nos dar sabedoria, sabedoria para aceitar e entender que cada pessoa é diferente, que algumas estão ainda aprendendo a caminhar, que ainda não possuem domínio próprio e precisam de autoafirmação, mesmo que para isso tenham de magoar outras pessoas...

Então, quando colocamos nosso coração acima da razão, tudo fica mais fácil: “É melhor a paz, a tranquilidade que a mente inquieta, sem tempo para apreciar as coisas boas da vida...”

E quando penso que foi preciso de muita coragem para desistir de tudo, percebo que eu não desisti, “eu não desisti de mim”, na verdade, me abri para a vida, para o amor, para a minha felicidade...

E se eu não tivesse passado por tudo aquilo, por tudo isso, eu não estaria vivendo o que estou vivendo hoje: Tenho certeza que “agora” tomei a decisão certa.

Agradeço a Deus pelo livre arbítrio, por me permitir viver cada momento para o meu crescimento, e peço sabedoria para entender as pessoas que eu encontrar pelo meu caminho...

Peço perdão, humildade e o dom do Amor, que é o maior de todos os dons.

Maria Cristina Gama
Abril 2016

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Meu Amor...



 

Esperei por você por tanto tempo...
E agora que você apareceu, não sai do meu pensamento...
Não consigo mais esperar, não quero mais esperar,
Pois o tempo longe de você é eternidade, morro de saudade...

Você é a brisa da manhã que beija meu rosto, com carinho...
Alguém que pedi a Deus que colocasse no meu caminho.
E eu não consigo disfarçar a felicidade que carrego no meu peito,
Meu sorriso não cabe em mim, nem consigo pensar direito.

Você é passarinho na janela que encanta o meu dia,
É braço que me abraça e me enche de alegria,
Parece que já o conheço há tanto tempo...

Você já fazia parte de mim, sempre morou no meu coração,
Um coração que estava adormecido, esperando o seu beijo:
Como nos Contos de Fadas: “O beijo de amor verdadeiro”

Com carinho,
Cris

segunda-feira, 7 de março de 2016

Buttercup

E elas nascem em meio a um mato desordenado... Não foram plantadas ali, nasceram por descuido, e sempre que aparam a grama, elas são arrancadas... Elas hoje estão assim, exercitando a sua resiliência, o vento as empurra e elas se curvam, mas depois voltam na mesma posição... Algumas fechadas, outras abertas... É assim que me sinto hoje também... Exercitando a minha resiliência... Eu sei que se eu morrer amanhã, nascerei novamente, irei brotar, fazer-me botão e depois me abrir para a vida, e assim eu renasço sempre que é preciso aparar a grama...

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

SER FELIZ DEVERIA SER O ÚNICO OBJETIVO DE VIVER

O que é a vida senão viver…
Por que nos esquecemos disso e morremos a cada dia?
Por que não enxergamos o que os olhos não podem ver?
Por que insistimos em criar expectativas?
O tempo morre quando não nos movemos,
Ele cria teia e acomoda poeira
E quando nos damos conta, tudo é besteira,
A vida é muito mais que isso:
É andar descalço, é correr desgovernado, é gritar com eco,
Usando nossos próprios pés e o nosso fôlego,
Não quero me entristecer com olhos duros que me encaram,
Não quero me preocupar com palavras ditas sem pensar,
Com pessoas mesquinhas, materialistas, esquisitas…
Quero gente que ama gente, que ri sem motivo,
Que me presenteia com um sorriso largo, que joga conversa fora,
Pessoas que trabalham, mas que também ficam à toa,
Pessoas que tocam, abraçam, apertam, beliscam
E nos fazem sentir vivos!
Vivos!!!
É só isso que eu quero,
Quero viver essa vida, sem ter medo de ser feliz!

Maria Cristina Gama
.
.
.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

A distância que nos separa



É essa distância algo que nos separa,
Mas também algo que nos aproxima,
Porque a saudade constrói pontes,
Leva a voz, a atenção e o coração...

É essa distância algo que nos separa
E também algo que nos atrapalha...
Melhor seria não pensar em nada,
Melhor seria nunca ter vivido isso...

É essa distância algo que nos separa,
Que põe desconfiança nas ausências,
Que nos faz sentir muita solidão,
Mesmo que você diga não...

Então, melhor a distância de uma amizade
Do que de um grande amor
E quando passar aqui perto da minha cidade,
Me de um alô e vamos tomar um café...

Até...

Maria Cristina Gama
.
.
.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Poema roubado


Amigos, sempre posto aqui poemas de minha autoria, mas achei este poema tão lindo que resolvi postá-lo, peço licença ao poeta. Ótima semana a todos, beijos!

“Desculpe a demora, se me perdi no caminho
É porque perguntei por você durante a viagem
E me informaram lugares errados, onde você não estava,
Então, segui minha intuição e as notas do meu piano
E aí ficou mais fácil, porque me levaram até o seu sorriso,
E ao seu olhar, às suas palavras e à sua voz.
Que bom que encontrei você...”
Autor: Santiago de Aloé
.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

O som do silêncio



O pior som é o do silêncio,
Aquele que antecede a espera,
Que vem antes de uma notícia triste,
Que faz o coração barulhento,
Acelera, grita dentro da gente.

O pior som é o do silêncio,
Pois ele aumenta todos os barulhos,
Faz estalos nos pisos, faz ranger a portas,
Faz assobiar as janelas, arrepia os cabelos
E inventa imagens no espelho...

Quando o silêncio é muito,
Eu acendo a luz
E consigo dormir.

Maria Cristina Gama
.
.
.

Quando você partir


Quando você partir, faça isso aos poucos, devagarinho... Assim, vou me acostumando com a sua ausência... Os dias não ficarão tão longos. E quando um dia você não aparecer ao ponto de eu não perceber... A tristeza será pequena... Mas agora NÃO, agora seria como arrancar, à força, a rosa do jardim, engaiolar o colibri, apagar a luz do dia e acabar com toda a poesia... E eu não vivo sem poesia! (Maria Cristina Gama)

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Paradoxo da Felicidade


É tanta gente desejando que eu seja feliz,
Que receio morrer de tanta felicidade
E se isso acontecer, de que adianta ser feliz?
Que paradoxo! 
                                                      Maria Cristina Gama

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

O sol na minha janela


Hoje precisei de ombro e você me deu...
Tinha me esquecido como é um colo,
Tinha me esquecido como você é bonito
Como aquele mar que me manda todos os dias...
Hoje eu só queria palavras no meu ouvido,
Saber que o mundo ainda existe aí fora,
Para poder sair do meu esconderijo.
Hoje está frio, mas não tão frio como dias atrás,
Quando o sol brilhava, mas era pura miragem...
Ainda bem que você é de verdade, que você existe
E graças a você, não estou mais triste!

Maria Cristina Gama
.
.
.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Aliança Eterna


Quem nunca parou para apreciar um arco-íris?
A chuva abre passagem, o sol abre o seu caloroso abraço
E ele enfeita o céu, exibindo o número da perfeição.
É lindo de se ver, diminuímos a velocidade do carro,
Colorimos os nossos olhos com as suas cores...

Sempre me emociono quando eu vejo um arco-íris:

“Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens,
Olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna
entre Deus e todos os seres vivos
de todas as espécies que vivem na terra".(Gênesis 9:16)

E mesmo que a Ciência explique,
Mesmo que fabriquem arco-íris por aí,
Eu sempre o sentirei com os olhos do espírito,
Esse é o mistério de Deus,
Ele é o criador de todas as coisas.
Se colocou o arco-íris onde todos podem ver,
É porque o amor dEle é para todos,
Basta acreditar!

Maria Cristina Gama

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Quando você menos esperar... (Parte II)




QUANDO VOCÊ MENOS ESPERAR...
Por Maria Cristina Gama

E quando você desiste de procurar, parece que tudo acontece, foi assim quando desisti de engravidar, depois de tentar quase um ano e, só foi desistir, aconteceu! O milagre da vida... Sim, a vida é feita de pequenos encantos, alguns ainda não têm identidade, nem cheiro, nem o calor da proximidade, mas encantam e tornam os nossos dias mais bonitos, cheios de poesia... Surpresas que chegam sem hora marcada, sem avisar... Não me venha falar que é destino, que são coincidências... A nossa história está escrita, mas o livro tem de ser aberto, lido e apreciado.

E por falar em livro, quero confessar um péssimo hábito que eu tenho: só compro um livro depois de ler o final da história primeiro, se valer a pena, aí sim, eu leio! Mas, tentar fazer isso com a própria vida, é pular pedaços importantes que construíram quem somos. Não posso querer saber do fim sem experimentar cada momento... Pois, se soubéssemos do futuro, deixaríamos de fazer muitas coisas... Talvez eu não engravidasse e eu não conheceria essa pessoa linda que é o meu filho...

A vida é feita de oportunidades, o tal cavalinho branco não passa duas vezes, lembra? Eu sempre digo isso... A grama está verde, o caminho está aberto e a água está fresca, vai dar tempo de decidir sobre ficar ou partir.

E, enquanto tudo ainda são hipóteses, quero viver esse momento delicioso entre o antes e o depois: “a expectativa”, “a espera”; mesmo que depois eu salte, o  que sentimos quando temos esperança é o que nos move e nos faz sentir vivos.

Carpe diem!

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Escolhas


As nossas escolhas nem sempre são as mais acertadas, mas sempre a nossa melhor decisão passa pela ética e pelo bom senso, e é isso o que importa: Os nossos valores. (MCGama)

O que vem antes...

 O que mais me encanta é o que vem antes: os olhos que descansam nos nossos olhos quando não estamos olhando... Uma mão que toca sem querer em outra... O silêncio... A proximidade... A novidade... e até mesmo a espera... Ah... a espera, quando transformada em hora certa, deixa o dia leve, os pensamentos longe e coloca em nosso rosto um sorriso bobo... Esse é o segredo, é o desejo que isso se repita, pois o que vem antes são momentos que ficarão para sempre no nosso coração. (Maria Cristina Gama)
.
.
.
.
.
.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

A saudade que a chuva traz...









Ah, toda vez que chove, vem junto com a chuva muitas lembranças, dá saudade de tanta coisa, o coração fica apertado... Gosto de chuva, mas gosto mais de dormir com o barulho da chuva... Sinto falta do meu filho quando era pequeno, das minhas cachorrinhas, do meu pai que vinha me visitar e sempre trazia um “laka” branco, pois sabia que era o meu predileto... Sinto falta de ler história em quadrinhos, de fazer os meus desenhos (sim eu desenho), e de ficar com a minha família que era grande, gente tagarela e sorridente, a casa era barulhenta, vozes e música, churrasco e sobremesa... A chuva continua... e vem a lembrança da adolescência, quando não usávamos guarda-chuva e ficávamos “ensopados”, era pura felicidade... Agora, para não me afogar nas lembranças, prefiro assistir a um bom filme, no aconchego do meu lar e em boa companhia.